A NSA não conseguiu usar o vírus Stuxnet contra a Coréia do Norte

Stuxnet

Apenas quando o ataque Stuxnet sabotou o programa nuclear do IrĂŁ em 2009 e 2010, o vocĂȘ.S. Nacional Segurança AgĂȘncia Diz-se que ele tentou fazer algo semelhante na CorĂ©ia do Norte.

A NSA usou uma versĂŁo do vĂ­rus Stuxnet, que foi projetado para ser ativado pelas configuraçÔes do computador em coreano, mas falhou miseravelmente em sabotar os programas de armas nucleares da CorĂ©ia do Norte, segundo fontes confiĂĄveis ​​da Reuters.

A NSA se recusou a comentar.

O ataque ao Stuxnet, que parece ser um esforço conjunto de Israel e dos Estados Unidos, teve ĂȘxito contra o programa nuclear do IrĂŁ, destruindo pelo menos 1.000 centrĂ­fugas de enriquecimento de urĂąnio em uma usina nuclear perto da cidade de Natanz. No caso da CorĂ©ia do Norte, no entanto, os agentes dos EUA nĂŁo conseguiram acessar os computadores que executam o programa de armas nucleares do paĂ­s.

A Coréia do Norte é amplamente conhecida por seu isolamento e sigilo auto-impostos, requer permissão da polícia mesmo para a simples compra de um computador e, é claro, o acesso à Internet é estritamente limitado. Existe apenas uma conexão de Internet externa primåria no estado e é acessada via China.

Não é segredo que os Estados Unidos estão preocupados com seus programas nucleares, tanto no Irã quanto na Coréia do Norte, portanto não foi surpresa que o vírus Stuxnet estivesse sendo sabotado.

A dependĂȘncia do paĂ­s em uma Ășnica conexĂŁo externa Ă  Internet tem conseqĂŒĂȘncias positivas e negativas. Por um lado, torna o paĂ­s mais vulnerĂĄvel a ataques lĂłgicos e fĂ­sicos de DoS, mas, por outro lado, Ă© muito difĂ­cil atacar com precisĂŁo. Existe apenas um caminho e Ă© bem conservado.

“Esse isolamento Ă© caro, mas oferece esse benefĂ­cio”, disse Tim Erlin, diretor de estratĂ©gia de segurança e risco de TI da Tripwire.