A NSA mudou de idéia sobre o programa de vigilùncia que apoiava

programa

Sua opiniĂŁo sobre o tĂŁo discutido programa de espionagem eletrĂŽnica, trazido Ă  luz por Edward Snowden seis anos atrĂĄs, parece ter mudado a AgĂȘncia de Segurança Nacional. Esse programa incluiu, entre outras coisas, a coleta em massa de metadados relacionados a telefonemas e mensagens de texto de americanos.

A NSA apoiou o programa, que foi lançado secretamente durante o mandato de George W. Bush como vital para os interesses de segurança nacional dos EUA. Na época, o país ainda tinha novas lembranças dos ataques terroristas de 11 de setembro, e autoridades disseram mais tarde que ferramentas como esse programa estavam ajudando os profissionais de espionagem do país a lidar com as novas realidades do terrorismo.

Mas agora, de acordo com um novo relatório do Wall Street Journal, algumas autoridades mudaram de idéia sobre o controverso programa.

“A AgĂȘncia de Segurança Nacional aconselhou a Casa Branca a abandonar o programa de vigilĂąncia dos EUA, que coleta informaçÔes sobre telefonemas e mensagens dos EUA”, afirmou o jornal em comunicado.

O relatĂłrio continua dizendo que a incerteza sobre questĂ”es legais e questĂ”es de conformidade Ă© a razĂŁo pela qual a agĂȘncia decidiu parar de confiar no programa no inĂ­cio deste ano. Sua autoridade legal se estende apenas atĂ© dezembro, a menos que o Congresso decida continuar, o que nĂŁo Ă© mais o caso.

A NSA passou anos fingindo que o programa era vital para a segurança nacional – apesar das enormes preocupaçÔes com a privacidade – em inĂșmeros discursos e testemunhos pĂșblicos perante o Congresso. Agora, todo mundo admite que suas opiniĂ”es eram pelo menos exageradas, se nĂŁo apenas mentiras.

Obviamente, os defensores da privacidade acolhem essas notícias com reservas. Isso se deve em parte à força com que a organização defendeu o programa e o descreveu como parte integrante da defesa do país contra o terrorismo e as redes terroristas.

No entanto, de acordo com o relatĂłrio, Trump, e nĂŁo o prĂłprio serviço de inteligĂȘncia, decidirĂĄ se deve pedir ao Congresso que renove o programa de vigilĂąncia. E, pelo menos por enquanto, ele parece nĂŁo ter decidido ainda se deve fazĂȘ-lo.