A marca Motorola retorna ao centro da estratégia da Lenovo

A linha de smartphones Moto retornará ao prefixo a marca Motorola ao invés de Lenovo. Essa decisão foi anunciada por Aymar de Lencqueasing, vice-presidente sênior da empresa chinesa e chefe do projeto após a aquisição. Este é um passo atrás da estratégia estabelecida no ano passado, inevitavelmente também influenciada pelo que aconteceu no Mobile World Congress 2017.

A apresentação do Lenovo Moto Z em junho de 2016, sancionou o abandono definitivo da marca Motorola. A empresa chinesa estava de fato disposta a impor sua própria marca, depois de aproveitar o apelo da histórica empresa americana. Uma decisão criticada desde o início, principalmente porque é difícil de entender em termos de se estabelecer no mercado de telefonia.

Imagem do corpo Lenovo Moto Z Force 1

Se é verdade que Lenovo se destaca no mercado de PCs (competindo pelo topo com HP), a situação é diferente no setor de smartphones, com alguns mercados que ainda hoje permanecem particularmente difíceis para a empresa chinesa (principalmente a norte-americana). A lógica por trás da aquisição da Motorola era explorar a marca para penetrar nesses mercados.

O crescimento após a aquisição foi, no entanto, mais lento que o esperado e, acima de tudo, a opção de focar na redação Lenovo Moto produziu uma queda de 1,2% na participação de mercado entre 2015 e 2016. Finalmente, tudo culminou em Mobile World Congress 2017, quando a operação de nostalgia criada por Nokia iluminou a empresa chinesa.

Tendo em mente que tudo passar√° pelos resultados do mercado, n√£o h√° d√ļvida de que Nokia aten√ß√£o monopolizada da m√≠dia na feira de Barcelona. Basta pensar em um fato eloquente: a transmiss√£o ao vivo do evento da empresa finlandesa foi seguida por quase 100.000 usu√°rios, contra o aprox 30.000 da apresenta√ß√£o de Huawei, o terceiro maior produtor do mundo (que tamb√©m obteve um excelente resultado em termos de presen√ßa f√≠sica da imprensa).

Nokia 3310 imagem corporal 2

Os resultados da m√≠dia obtidos por Nokia, especialmente em rela√ß√£o a nova vers√£o do 3310, mostraram como, em um mercado de smartphones cristalizado h√° anos, uma marca hist√≥rica pode fazer com que as pessoas falem sobre si mesmas com muita facilidade, sem a necessidade de investimentos fara√īnicos em publicidade.

O próximo smartphone topo de gama Lenovoou o herdeiro do Moto Z, deve, por conseguinte, ser o primeiro a retomar a redacção Motorola. Será muito interessante verificar o impacto que essa mudança terá na participação de mercado da empresa chinesa. Não está excluído que o setor de smartphones possa desfrutar de um novo impulso, graças ao retorno desses grandes gigantes caídos.